Projeto 4: Prática Pedagógica no Hospital

Universidade de Brasília – Faculdade de Educação

Departamento de Teorias e Fundamentos

Área de Educação Especial e Inclusiva

Projeto 04: Prática Pedagógica No Hospital

Código: 194760 Créditos: 08 Semestre: 1º / 2011

 

Professoras: Amaralina Miranda de Souza E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Carla Castro- E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 

EMENTA:

Planejamento e execução de atividades práticas pedagógicas supervisionadas, no contexto do hospital, com crianças e jovens que se encontram hospitalizados.

 

JUSTIFICATIVA:

A hospitalização infantil tem sido um tema de constante interesse entre vários profissionais da saúde e da educação que se preocupam com o processo de desenvolvimento global da criança.

Várias experiências, bem sucedidas, que envolvem o trabalho educacional com a criança hospitalizada e o ambiente hospitalar, apontam para a necessidade de se considerar uma nova abordagem sob as características e definições das necessidades educacionais, conhecidamente definas no âmbito escolar.

Por outro lado a nova compreensão sobre o conceito de saúde, antes considerado apenas o “ estado de bem estar físico, mental e social”, agora compreendido como “ um conjunto de condições criadas coletivamente, no sentido de permitir a uma sociedade produzir e reproduzir-se de modo saudável com condições objetivas de vida, de forma a sentir-se capaz de integrar-se física e socialmente no seu meio.

Nesta nova abordagem a atuação do Pedagogo no Hospital, tanto nas classes hospitalares, quanto no trabalho de recreação terapêutica é de fundamental importância, como parte de uma equipe multi e interdisciplinar. Busca, não sóoferecer apoio para a compreensão das fases cognitivas, mas quanto aos aspectos educacionais inseridos no seu tratamento clínico, que tem garantia na legislação federal: “ ..o direito destes pacientes de desfrutarem alguma forma de recreação, programas de educação para a saúde e acompanhamento do currículo escolar durante sua permanência no hospital “ ( Declaração dos direitos da criança e do adolescente, item 9). FONSECA (1977), também fundamenta este aspecto, quando afirma que “ os hospitais, no caso de crianças com doenças crônicas, têm de criar condições educacionais, tutoriais e/ou apoio especializado, para a sua atenção e promover o seu desenvolvimento e aprendizagem.

A Política Nacional de Educação Especial (SEESP/ MEC,2008) prevê o atendimento de crianças em classes hospitalares.

De acordo com a Política Nacional de Educação Especial, a classe hospitalar preserva o direito à escolarização, por considerar a criança hospitalizada de alto risco por apresentar condições de vulnerabilidade que ameaçam o seu desenvolvimento.

É neste contexto que avaliando a situação da criança hospitalizada e caracterizando-a como pessoa que apresenta necessidades educacionais especiais, temporárias ou não, dependendo do grau de complexidade do seu quadro clínico quevislumbra a atuação do pedagogo no hospital. Nesta perspectiva a Universidade de Brasília, através da área de Educação Especial e inclusiva, da Faculdade de Educação, oportuniza aos alunos, que desejarem se aprofundar nessa formação, a realização da prática pedagógica supervisionada no hospital.

Procura-se,com isso, atender às novas demandas educacionais oportunizando aos alunos do curso de pedagogia, em parceria com a as Secretarias de Estado de Educação e Saúde e através dos professores das classes hospitalares dos hospitais gerais, onde serão realizadas as atividades supervisionadas de ensino, pesquisa e extensão, que possam contribuir com a formação geral dos nossos alunos e futuros professores/pedagogos.

A nossa expectativa é que este trabalho possa se constituir em um projeto interinstitucional e sistemático, integrado efetivamente à estrutura física, administrativa e acadêmica dos hospitais.

 

OBJETIVO GERAL:

Proporcionar ao estudante do curso de Pedagogia a oportunidade de perceber a multiplicidade de demandas do aluno com necessidades educacionais especiais encontradas no hospital; trabalhar com ênfase no resgate da humanização através da pedagogia hospitalar, enfocando as características, concepções e atuação em classe hospitalar com crianças e adolescentes hospitalizados, seus cuidados e atendimento educacional, em equipe multi e interdisciplinar.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

1-Organizar elementos conceituais de um corpo de informações relativos ao atendimento pedagógico e educacional a criança e jovens hospitalizados;

2 - Dimensionar as diferentes correntes didático-metodológicas para servirem de apoio à prática da equipe de saúde com os pacientes pediátricos;

4 - Contextualizar o desenvolvimento de conteúdos curriculares, mediante a observação das reais possibilidades das crianças e dos adolescentes hospitalizados, buscando o seu desenvolvimento integral.

5 - Coletar dados, com perspectiva de pesquisa científica, sobre o tema

objeto do trabalhado prático;

6 - Desenvolver a capacidade dos alunos do curso de Pedagogia para

atuar como membro de equipe multi e interdisciplinar de saúde, no trabalho de atenção e manejo do cuidado com o paciente, favorecendo um atendimento pedagógico/educacional consciente e responsável, com base nos novos paradigmas de educação e saúde.

 

DAS ATIVIDADES

As atividades práticas a serem realizadas pelos alunos nas Unidades de Pediatria dos Hospitais gerais de Rede Pública do Distrito Federal, dentro do Plano do Curso, também serão consideradas como oportunidade de pesquisa para realização dos trabalhos de final de curso.

 

PROGRAMA ESPECÍFICO:

- Estudo teórico sobre o atendimento educacional realizado com crianças e jovens hospitalizados; a importância do trabalho da Pedagogia dentro do hospital: aspecto lúdico-pedagógico; a classe hospitalar: aspectos históricos no Brasil e no mundo.

- Visita de observação para conhecimento do local de trabalho do profissional da educação, no contexto das classes hospitalares dos hospitais gerais, lócus da prática a ser desenvolvida.

- Elaboração, junto às professoras do Projeto 4, do plano de trabalho pedagógico/educacional a ser desenvolvido. Enfocar, com estudos e fundamentação, os aspectos a serem trabalhados: desenvolvimento cognitivo da infância e adolescência, também em situação de estresse: a aprendizagem: percurso cognitivo e emocional no hospital; a relação família x paciente hospitalizado e equipe médica: medos e ansiedades; a criança hospitalizada na sala de recreação;

- Conhecer, para analisar criticamente, o trabalho desenvolvido no hospital, para contribuir na organização da estrutura de atendimento educacional no contexto da classe hospitalar: como montá-la; recursos lúdicos e cognitivos de acordo com o nível e necessidade de cada criança; manutenção dos brinquedos na sala de atendimento pedagógico; atividades curriculares para crianças com doenças crônicas não alfabetizadas, de acordo com a rotina do hospital; programas de educação para a saúde, a serem desenvolvidos junto às famílias e crianças hospitalizadas.

- Investigar as características e particularidades da intervenção pedagógica adequada nos diversos ambientes e condições existentes no hospital: no leito; na sala de recreação / classe hospitalar; na UTI; no ambulatório; na emergência; no acompanhamento escolar / hospitalar; na orientação à família / acompanhante da criança e do jovem hospitalizados, respeitada as condições e adequações do contexto do hospital

- Compatibilizar o plano de trabalho educacional elaborado, a ser realizado nohospital junto às crianças e jovens hospitalizados, considerando todo o contexto que os envolvem: a sua história escolar, a família que o acompanha, a equipe multidisciplinar que o assiste, etc.

- Elaborar relatório circunstanciado da prática realizada, contemplando as reflexões teóricas e práticas pertinentes, de forma a se constituir como um trabalho de caráter acadêmico-científico.

- Apresentar, para o público acadêmico e do hospital, o resultado do trabalho prático realizado, com as reflexões e contribuições resultantes da experiência e estudo realizados.

 

AVALIAÇÃO DO ALUNO

A avaliação do aluno será realizada durante o processo, através do acompanhamento direto na classe hospitalar e em sala de aula,com orientações acadêmicas,com base nas atividades prevista no plano do curso. Para isto, serão realizados encontros periódicos, com os alunos, com os professores supervisores locais. Serão realizadas orientações e discussões dos casos, observações in loco e junto ao professor regente da classe / profissional responsável pelo atendimento no hospital, com entrega de relatórios parciais das atividades desenvolvidas, que resultará em um Relatório Final, avaliado como trabalho Final do Curso.

 

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO:

O aluno será avaliado em conformidade com os critérios gerais da UnB como mostra a tabela abaixo:

Menção Número de Pontos

SS - 90 a 100

MS - 70 a 89

MM - 50 a 69

MI - 30 a 49

II - Abaixo de 30

SR - Qualquer número de pontos e total de faltas superior a 25%.

 

ORIENTAÇÃO AO ALUNO:

Será acordado, no início do semestre, um cronograma de atividades para viabilizar a prática pretendida, considerando as condições vigentes para atender às necessidades das crianças e jovens hospitalizados. Para isto o estudante participará das atividades de orientação acadêmicas programadas junto ao professor.

Para outras orientações e encaminhamentos fazer contato com as professoras da disciplina no telefone 307.2075, e nos e-mails Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , e Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

 

BIBLIOGRAFIA DE REFERENCIA

Obra:

Autor:

Editora:

Ano:

Direitos da criança e do adolescente hospitalizados.Resolução 41, de 13/10 /1995

Brasil, Ministério da Justiça-Brasília.

Imprensa Oficial

1995

Medos, medinhos, medonhos: como lidar com o medo infantil

Silva, Márcia Barbosa ( org.)

Inujui

2004

Criança hospitalizada: atenção integral como escuta a vida

CARVALHO, P.R.A. e CECCIM, R.B. (org).

Universidade

1997

O amor é contagioso

Adams, Pacto

Sextante

1998

A escola no hospital: espaços de experiências emancipadoras.

Armando C. Rosa ( Org.)

Intertexto

2007

Classe Hospitalar e Atendimento Pedagógico Domiciliar.

Brasil, Ministério da Justiça - Brasília.

Imprensa Oficial

2002

Multireferencialidade nas ciências e na educação

BARBOSA, Joaquin

UFSCAR

1998

Necessidades Educacionais Especificas.

González, Eugenio e colaboradores

Artmed

2007

A criança no hospital - terapia pelo brinquedo

LINDIQUIST, Ivonny

Scritta

1993

Atendimento Escolar no ambiente hospitalar

Fonseca, Eneida Simões da.

Memnon

2003

Pedagogia Hospitalar: A humanização integrando educação e saúde

Matos, Elizete Lúcia Moreira e Mugiatti ,Margarida Maria Teixeira de Freitas

Vozes

2006

E a psicologia entrou no hospital

Learning,Thomson

Pioneira

1996

Educação da Criança Hospitalizada

Cadernos Cedes 73

CEDES

2007

O médico e o paciente

Ismael, J.C.

MG

1983

A criança Diante da morte - desafios

Torres, Wilma

Casa do Psicólogo

2002

Hospitalização: impacto na criança, no adolescente e no psicólogo hospitalar.

Nigro, Magdalena

Casa do Psicólogo

2004

A face humana da medicina

Marco, Mario

Casa do Psicólogo

2003

Escolarização Hospitalar

Matos, Elizete (Org.)

Editora Vozes

2009

Brincar é saúde – o alívio do estresse na criança hospitalizada

Novaes, Luiza

EDUCAT

2006

O hospital: Manual do ambiente hospitalar.

Souza, Virginia Helena Soares de ( org.)

ManualReal

2006

Brinquedoteca Hospitalar - Isto é Humanização

Drauzio Viegas

Editora: Wak

2007

Quando a Escola é no hospital.

Armando C. Rosa ( Org.)

Intertexto

2008

Endereços eletrônicos de interesse:

http://www.mec.gov.br

http://www2.uerj.br/~classhosp

http://www.cerelepe.faced.ufba.br/

OBS. Outras referências bibliográficas serão indicadas e / ou disponibilizadas ao longo do semestre.

SEJAM BEM VINDOS!

Professoras Amaralina e Carla

 

Última atualização (Sex, 19 de Agosto de 2011 20:28)

 
Login



Notícias
Petrobras assina contrato de patrocínio com a Sadef

A Petrobras assina sexta-feira (22) contrato de patrocínio com a Sociedade Amigos do Deficiente Físico do Rio Grande do Norte (Sadef), no Hotel Praiamar, em Ponta Negra, às 11h. Com este patrocínio, a empresa destinará recursos para a preparação de 104 atletas paraolímpicos,

Leia mais...
 
Informação sobre deficiência poderá ser incluída na carteira de identidade

A Câmara analisa o Projeto de Lei 7188/10, do deputado Clóvis Fecury (DEM-MA), que faculta a identificação da condição de deficiente na carteira de identidade.

Leia mais...
 
Único ginasta surdo do DF supera deficiência e disputa competição nacional

A ginástica artística entrou na vida de Saulo Moraes, 13 anos, quando ele tinha apenas 4. O menino, que nasceu com citomegalovirose e deficiência auditiva, foi matriculado pelos pais para que ganhasse mais equilíbrio corporal.

Leia mais...